Correntes d’Escrita 2011: a última mesa

Com um verso de Filipa Leal como mote (“Para lá deste lugar, ninguém diz as palavras”), a última mesa das Correntes deste ano reuniu-se ontem no Instituto Cervantes. Conceição Lima, David Toscana, Inês Pedrosa, Kirmen Uribe e Uberto Stabile, moderados por Raquel Ochoa, encerraram o encontro perante um auditório composto, mas sem o fulgor e o entusiasmo dos auditórios da Póvoa. São mundos diferentes, já se sabe, e por algum motivo as Correntes d’Escritas são apontadas por toda a gente que por lá passa como um espaço-tempo inigualável. Ainda assim, sabe bem este último encontro, já longe da Póvoa, para começarmos a regressar à rotina, mas ainda com muitas das pessoas que nos acompanharam nos últimos dias, para não nos esquecermos que as coisas que se constroem não precisam de presenças constantes para perdurarem, e isso é válido para os livros e para os afectos.

A fotografia foi desavergonhadamente pilhada no blog do Luís Ricardo Duarte, que tirou mais fotografias nesta edição das Correntes do que o próprio fotógrafo oficial, e tudo com um aparelhómetro que só lhe falta estrelar ovos.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s