À conversa com o ‘Livreiro Velho’

Há entrevistas que seguem direitinhas, a gente pergunta, o entrevistado responde, e tudo corre demasiado bem. São entrevistas chatas, quase sempre, mesmo quando isso se consegue disfarçar no texto final. Depois há outras em que tudo é inesperado e em que as nossas perguntas perdem o alinhamento, dançando ao ritmo da conversa e sugerindo outras perguntas, muito mais interessantes porque muito mais espontâneas, fruto daquilo que deve ser uma boa conversa. São as mais interessantes. E depois há entrevistas que são um desafio, porque as perguntas que fazemos são ultrapassadas pelas perguntas que nos fazem e não há alinhamento que se salve. Não sei se são as mais interessantes para o leitor, mas são as que não esquecemos. Foi assim com Manuel Medeiros, o Livreiro Velho, que me recebeu na Culsete, em Setúbal, com a hospitalidade que só os que sabem que as livrarias são casas podem praticar. O resultado está aqui, no Portugal Ilustrado.

(na imagem, Manuel Medeiros assina o livro de presenças do II Encontro Livreiro, em Março deste ano)

 

One comment

  1. Com este Senhor livreiro, não podia deixar de ser assim. Ficaram os dois entrevistado e entrevistadora de parabéns!
    Maria Fernanda Pinto (uma leitora)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s