& etc Uma Editora no Subterrâneo

EditoraSubterrâneo
VVAA (coord. Paulo da Costa Domingos
& etc Uma Editora no Subterrâneo
Letra Livre

40 ANOS DE ‘LIVRINHOS

Há efemérides livrescas que se assinalam com o ruído de um bombo de festa e outras que se celebram à imagem daquilo que se festeja, pessoa ou entidade, deixando uma marca mais duradoura. O lançamento de & etc, Uma Editora no Subterrâneo, edição da Letra Livre coordenada por Paulo da Costa Domingos, foi assim, com muita gente a não querer deixar de estar no bar do teatro A Barraca, ouvindo Vitor Silva Tavares (VST) e os seus cúmplices, e depois com pouca estridência a anunciar a chegada do volume às livrarias. Outra coisa não seria de esperar de um livro como este, que já se sabia essencial ainda antes de existir materialmente, e que ninguém contaria ver em campanhas, promoções especiais ou marketings de estação. Está lá, nas livrarias, e quem não quiser perdê-lo, é melhor procurar uma e abastecer-se.

Com o formato a reproduzir a estrutura do quadrado inscrito no rectângulo que define os livros da & etc, o volume que reúne autores, colaboradores (ou cúmplices, como gosta de lhes chamar o editor) e leitores da editora de VST assinala os 40 anos desta casa. Fisicamente, a & etc é uma cave já lendária situada na Rua da Emenda, perto de alguns cafés de bairro e das poucas livrarias e alfarrabistas que o suposto glamour do novo Chiado de rendas altas e comércio de luxo ainda não destruiu. De grafismo exímio e construção onde se nota o cuidado de um ourives, o miolo inclui palavras do próprio VST, acompanhadas de textos assinados por quem tem ajudado a fazer os livrinhos da & etc, por quem os tem como farol e espaço de uma certa reserva protegida e por quem os tem lido com a devoção que a editora soube criar no grupo dos seus seguidores atentos. Aqui cabem textos como os de Paulo da Costa Domingos, presença assídua nos bastidores da & etc e, pontualmente, na capa dos livros, Manuel de Freitas ou Rocha de Sousa, autores da casa, Luís Henriques, um dos ilustradores frequentes, Cláudia Clemente, autora de um documentário sobre a editora, ou Isaque Ferreira, leitor dedicado e coleccionador meticuloso de palavras que sejam poesia.

A estes e outros textos juntam-se matérias diversas, essenciais para fazer deste livro um marco na história da edição portuguesa. É o caso da entrevista que Alexandra Lucas Coelho fez a VST, aqui numa versão mais extensa do que a que saiu no Público, uma peça que ajuda a fixar a história da editora; das cartas de Luiz Pacheco, com a verve que o caracterizava a marcar o ritmo de desabafos, recados e contribuições escritas para o & etc, suplemento do Jornal do Fundão que esteve na origem da editora; das capas de todos os livros da editora e das muitas imagens de esboços, planos que originaram livros, folhas censuradas com o lápis azul do fascismo, autos de apreensão de um livro como O Bispo de Beja, de Homem-Pessoa, apreendido por um governo que já devia ser democrático, porque Abril já lá ia, para além das fotografias a documentarem a vida da editora; do catálogo completo a servir de guia para o que já se conhece e para o que se perdeu, porque esta é uma editora de tiragem única. Sem brindes nem dourados, & etc. Uma Editora no Subterrâneo é uma preciosidade bibliográfica a pedir manuseio frequente e deleite constante, antes que esgote, antes que já não haja editoras que façam livros como quem faz livros e os queiram vender como quem conhece os seus leitores.

Sara Figueiredo Costa
(publicado na revista Blimunda, Dezembro 2013)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s