Notas de Viagem: Macau, Hotel Central

20140329-183125.jpg

Em certos ângulos de visão, o Hotel Central ainda domina a paisagem do centro de Macau. A fachada verde subindo sobre os edifícios do largo do Senado, o topo com os caracteres vermelhos que indicarão, suponho, o nome do estabelecimento, a porta a dar para a San Ma Lo, avenida central que os portugueses baptizaram com o nome de Almeida Ribeiro, mas que toda a gente conhece pelo nome chinês. O que o Hotel Central já não tem é a elegância que Ian Fleming descreveu com detalhe e espanto no capítulo de Thrilling Cities que dedicou a Macau. Onde antes haveria um lobby luminoso e um elevador que ascendia pela pirâmide social de Macau enquanto se sucediam andares cada vez mais luxuosos, cruzando o jogo em ambiente controlado e a prostituição de luxo disfarçada de serviço de acompanhantes, hoje há um átrio que podia ser o de um prédio dos subúrbios de Lisboa. Ao fundo vêem-se dois elevadores cinzentos, banais, sem nenhuma promessa de desembocarem em salões dourados onde o fan-tan se jogava em mesas limpas. À porta, sobretudo à noite, é muito fácil identificar um dos lugares de prostituição da cidade, agora de um modo tão óbvio que nem Ian Fleming conseguiria dizer que são apenas raparigas que procuram diversão.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s